Crise PSOE: Susana Díaz Fundamenta A Investidura De Rajoy Frente Aos Críticos

Crise PSOE: Susana Díaz Fundamenta A Investidura De Rajoy Frente Aos Críticos

O PSOE de Andaluzia, a federação mais robusta do jogo, manifestou-se ontem pela primeira vez em público em prol da abstenção do PSOE na investidura de Rajoy pra impossibilitar as terceiras eleições. A noite eleitoral de vinte de dezembro, o local de presidente do Conselho, Susana Díaz, de imediato se manifestou favorável a simplificar um Governo do PP.

Mas, oficialmente, o PSOE-A levou dez meses em tornar público o seu apoio à abstenção. Ontem fez o número dois, João Cornejo. Com esse movimento, Susana Díaz trata de fundamentar a investidura de Rajoy contra os críticos na semana determinante do PSOE.

Assim sendo, a opção ainda mais clara pra maioria dos barões que derrubaram a Pedro Sánchez é a abstenção, ainda que alguns resistem, como Emiliano García-Page (Castilla-La Mancha) ou Ximo Puig (Comunidade Valenciana). A federação valenciana começou pela semana passada a desviar-se pra abstenção, ainda que ainda não a defende. Puig poderia ter sérios dificuldades pra se conservar sem vigor de seu Governo de coalizão com as linhas de portas, o que é apoiado desde as Cortes regionais por nós Podemos. Além do PSOE andaluz-que traz 20 deputados de oitenta e quatro no Congresso-, ontem posicionaram-se na abstenção do presidente da Junta da Extremadura, Guillermo Fernández Vara, e o novo porta-voz do partido socialista no Parlamento Europeu, João Gama.

Os socialistas andaluzes consideram que se houvesse eleições no dia 18 de dezembro, o PSOE poderia permanecer em sessenta lugares, dada a terrível instabilidade que sofreu o jogo. O PSOE-A aposta -como a maioria dos barões – por que o Comitê Federal aprove uma localização política que possa ser defendida por todos os deputados com seu voto, incluído o PSC. Nada de 11 abstenções ou onze ausências no instante da votação, como pedem alguns dirigentes.

Como assegurou ontem Cornejo, “há que deslocar-se correto e de frente”. O número dois de Diaz chegou a desafiar os muitos deputados que defendem o Governo a demitir-se e a transmitir o teu mandato no caso de que o Comitê Federal aprove a abstenção.

  • Um Comités olímpicos nacionais
  • 2 Investimento Directo do Peru no Exterior
  • Grupo Charly
  • 4 Fundação Podemos
  • Valtteri Bottas (+0.086)

“Eu entregaria o acto”, ele citou, “antes de votar, não sendo o acto, por causa de não se apresentaram individualmente pra eleições, foram na candidatura do PSOE”. Díaz e os barões estão encontrando muita resistência interna à abstenção. Esta localização segue concitando a rejeição de enorme parte do jogo e, acima de tudo, de quase toda a militância, como admitem os barões. Nas federações, onde está tendo assembleias de militantes estão se posicionando maioritariamente em prol do não. A maioria das federações continuam, de facto, rejeitando a Rajoy.

Assim o aprovou ontem, por unanimidade, a Executiva do PSE e a secretária-geral dos socialistas ao inverso, Eva Díaz Tezanos. Mas a oposição mais potente chega a Catalunha. Iceta não detalhou quando tem calculado inserir-se com Fernández, já que ele quer um encontro “manso”, e insistiu em que os seus sete deputados no Congresso votarão não a Rajoy ainda que suponha quebrar a disciplina de voto. Defendeu que o mais coesivo é proteger o não do PSOE, mesmo que isso implique deslocar-se a terceiras eleições: “Entre Rajoy ou recentes alternativas, algumas eleições”. Se o Comitê Federal aprova a abstenção, o PSC convocada de urgência ao seu Conselho Nacional para tomar uma decisão unânime que ninguém dúvida que será para preservar a sua não a Rajoy.

Só é possível apresentar com senso de realidade. Com efeito, o Livro não descreve fatos possíveis ou dados do mundo, mas que fala da linguagem e da lógica que rege nosso raciocínio e do nosso universo, etc. Entra portanto em jogo polêmico -contudo fundamental – distinção entre discursar e afirmar que o respectivo Wittgenstein considerava o núcleo da filosofia. A lógica está presente em todas as propostas, porém não é dito por nenhuma delas. A lógica instaura qual é o limite da linguagem, do pensamento e do mundo, e assim sendo se mostra o próprio limite, que neste momento não é do mundo, ficando fora do escopo do que o concebível e expressáveis.

É dessa maneira que, como indica Wittgenstein: “Há, claramente, o inexprimível. Se mostra, é o místico” (Tractatus: § 6.522). A tarefa da filosofia é, desse jeito, pontualmente, vir até os casos-limite da linguagem, onde imediatamente não falamos do mundo, entretanto, contudo, fica demonstrado o inexprimível.

Este é o caso das tautologias, contradições e, em geral, as proposições próprias da lógica. Meu serviço é composto de duas partes: a que aqui aparece, e de tudo aquilo que não escrevi. E é precisamente esta segunda cota é a mais primordial. Meu livro, em efeito, delimita por dentro ético, por dessa maneira contar; e estou convencido de que, rigorosamente, só poderá ser delimitada deste modo. Não há dúvida, numa expressão, tudo aquilo a respeito do que muitos hoje parlotean o tenho posto em evidência eu no meu livro guardando silêncio sobre isto. Lhe aconselho a ler já o prólogo e o término, uma vez que são eles que expressam com maior rapidez o significado.